en-us-O Brasil foi o primeiro país, depois das nações europeias, a acolher a mensagem de unidade e fraternidade do Movimento dos Focolares.

06/03/2019

Chiara Lubich, fundadora do Movimento Focolares.
Chiara Lubich, fundadora do Movimento Focolares.

O Brasil foi o primeiro país, depois das nações europeias, a acolher a mensagem de unidade e fraternidade do Movimento dos Focolares, num tempo quando ainda maiores de hoje estava a desigualdade social e na sociedade fervia a urgência de uma radical mudança social.

A novidade inovadora do Evangelho testemunhada com a vida das pessoas que chegaram da Italia no Brasil, encontrou no abraço brasileiro um terreno fecundo para disseminar também entre os mais necessitados a transformação que leva a fraternidade e o amor sem medidas.


          Brasil: o berço da Economia de Comunhão.

Foi aqui que, em 1991, Chiara Lubich, tocada pelos graves problema sociais, lançou as bases de uma verdadeira revolução no âmbito econômico com a Economia de Comunhão (EdC), projeto conhecido atualmente no mundo inteiro. E foi aqui, perto de São Paulo, que nasceu o primeiro "laboratório" da EdC: o Pólo empresarial Spartaco.

Mas a vida dos Focolares no Brasil não se desenvolveu apenas no campo da economia. Os seus reflexos encontram-se em vários campos no tecido social: educação, saúde, arte, psicologia. Não falta uma incidência no campo cultural. Um exemplo é o grupo de pesquisa sobre "Direito e Fraternidade", ativo desde 2009 no Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal de Santa Catarina. Há uma atuação também na política, com o Movimento Político pela Unidade que faz da fraternidade a lei fundamental do empenho público de modo que seja um autêntico serviço ao bem comum.

São várias as atividades do Movimento, em todos os estados, imersos nas problemáticas mais urgentes: a escola de formação política Civitas, em João Pessoa; as ações de solidariedade dos Jovens por um Mundo Unido; as olimpíadas para adolescentes; os encontros para as famílias. Muitos são os fatos concretos, vividos em família, nos quais o Evangelho se mostra como remédio para transformar as muitas situações de luta e desilusões, as consequências dolorosas de separações e divórcios, e abertura às adoções, ao diálogo entre as gerações, com outras famílias e as necessidades da sociedade. Afrodescendentes, ainda quotidianamente feridos pelos preconceitos raciais, são sanados pela acolhida e valorização nas comunidades do Movimento. Onde as antigas civilizações de índios reclama os seus direitos, há uma comunidade do Movimento que não fica indiferente e se faz aliada com a força do Evangelho.

https://www.focolares.org.br/movimento-dos-focolares/quem-somos/historia-dos-focolares-no-brasil/